Prefeitura lança PMI para Cidade Tecnológica de Londrina - TV Tudo
Início » Prefeitura lança PMI para Cidade Tecnológica de Londrina

Prefeitura lança PMI para Cidade Tecnológica de Londrina

Empreendimento será instalado em uma área de 370 hectares, na antiga Fazenda Refúgio, englobando tecnologia, inovação e pesquisa com sustentabilidade ambiental

por TV Tudo

Para complementar o ecossistema de inovação de Londrina, o prefeito Marcelo Belinati vai anunciar o projeto ‘Cidade Tecnológica de Londrina’ nesta quarta-feira (15), às 9h, no saguão do segundo andar da Prefeitura de Londrina. Ele vem se somar ao Tecnocentro e ao Parque Tecnológico Francisco Sciarra e para sua efetivação, o prefeito lançará, na mesma oportunidade, o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI).

A Cidade Tecnológica será instalada em uma área de 370 hectares, na antiga Fazenda Refúgio, que conta com 60% de mata nativa, um corredor de biodiversidade, nascentes e fundo de vale; tudo integrado em um futuro próximo com muita tecnologia, pesquisa e inovação. Para isso, devem poder se instalar no local empresas, startups, incubadoras, Institutos de Ensino Superior e de pesquisa científica, entre outras.

O projeto prevê uma parceria do poder público municipal com a iniciativa privada e terá a Companhia de Habitação de Londrina (Cohab-Ld) como sócia-investidora, em modelo inédito de negócios para a companhia. Isso porque, o terreno da Fazenda Refúgio pertence à Cohab-Ld, mas para fins de habitação ele não é considerado viável, por ser irregular e ter muita encosta. Mas, por outro lado, ele facilita a logística e os deslocamentos, pois fica a 3 km do Aeroporto Governador José Richa e a apenas 6 km do centro da cidade.

Para colocar o projeto em ação, o primeiro passo é lançar o edital de PMI para contratar uma empresa que fará o estudo de viabilidade e o estudo técnico para o futuro parque tecnológico. A empresa contratada avaliará o espaço e através desse estudo listará todas as ações que devem ser feitas pelo Município e quanto custarão essas implementações. Para tanto, a contratada deve ouvir as entidades envolvidas no projeto que, no caso, são a Prefeitura de Londrina, a Cohab-Ld, Sebrae, Acil e empresas da área tecnológica.

O PMI é uma ferramenta que permite que empresas com expertise na área de projetos proponham modelos de funcionamento do empreendimento, elencando e esclarecendo as questões jurídicas e de negócios. Ele será publicado no Jornal Oficial do Município de Londrina e deve permanecer 30 dias aberto, para atrair as empresas interessadas em participar. A empresa vencedora terá 120 dias para elaborar todo o projeto e estudo de viabilidade, ou seja, até o final deste ano.

Após finalizado o estudo, a Cohab-Ld terá um Termo de Referência pronto para abrir um edital de Concorrência Pública para a seleção de um sócio no empreendimento, o que deve acontecer no início de 2023. Assim, ela poderá propor uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), com um investidor da iniciativa privada. Este último ficará responsável pelos investimentos e administração do parque. “A Cohab-Ld será sócio do parque junto com um investidor privado e a ideia é que o patrimônio que ela tem hoje, a área, se valorize muito e a Cohab passe a auferir recursos pela instalação de empresas e indústrias e passe a ter uma fonte de renda para a vida toda. É um projeto de grande porte, transformador e que tem na área da tecnologia da informação um fundamento econômico muito forte e o que se pretende é criar um espaço para um salto de crescimento”, explicou o secretário de Gestão Pública, Fábio Cavazotti e Silva.

Outras iniciativas – No Brasil já existem alguns parques tecnológicos semelhantes ao que a Prefeitura de Londrina quer implantar aqui. Somente no Paraná são 28. Entre os principais estão o Parque de Software de Curitiba; Tecnoparque da PUC de Curitiba; Parque Tecnológico Itaipu (PTI); Parque Tecnológico Biopark de Toledo; Parque Tecnológico (Tecpar); Parque Tecnológico de Pato Branco; Parque Tecnológico Cidade dos Lagos de Guarapuava; Parque Tecnológico de Londrina; e o Parque Tecnológico de Cornélio Procópio.

O Município de Florianópolis conta com um chamado Sapiens, que está servindo de exemplo para o londrinense. Ele tem uma área total de 430 hectares, 257 unidades condominiais com matrículas independentes, e um potencial construtivo de 1,3 milhões de metros quadrados. Há espaço para biblioteca, estúdio de cinema, cultura, eventos, lazer, esportes, circuito multiuso, lagos sustentáveis, Inovalab, Instituto de Petróleo, gás e energia; entre outros.

 

 

Via: AEN

Relacionado